Sinfônica de Piracicaba recebe o brasileiro mais jovem a se apresentar no Carnegie Hall

Sinfônica de Piracicaba recebe o brasileiro mais jovem a se apresentar no Carnegie Hall

Violoncelista de 18 anos e detentor de seis prêmios no Brasil e no exterior, Luiz Fernando Venturelli é o solista da OSP (Orquestra Sinfônica de Piracicaba) em 1º de setembro, sábado, que tem ainda como convidado o maestro Edilson Ventureli, regente titular da Orquestra Juvenil Heliópolis. As apresentações gratuitas são no Teatro do Engenho, às 17h30 e 20h, sob o patrocínio da Raízen, Caterpillar, Hyundai e Oji Papéis Especiais, via Lei Rouanet, do Ministério da Cultura. A realização é da Prefeitura do Município de Piracicaba, por meio da SemacTur (Secretaria Municipal da Ação Cultural e Turismo).

O programa traz "Zigeunerweisen, op.20", obra de 1878 do espanhol Pablo de Sarasate, originalmente escrita para violino e orquestra e cuja transcrição para violoncelo é de Hans Jensen. Ela tem como base temas do povo cigano e os ritmos das csárdás húngaras. Do austríaco Joseph Haydn, a OSP interpreta "Concerto no.1 em dó maior para violoncelo e orquestra", peça em três movimentos composta entre 1761 e 1765, e que contém referências ao espírito barroco. Composição de 1900 em quatro movimentos, a "Sinfonia no.1, op.8, em mi bemol maior" encerra a apresentação. A peça é de autoria do russo Reinhold Glière.

Embora tenham tocado juntos em outras ocasiões, esta é a primeira vez que Edilson e Luiz Fernando, tio e sobrinho, ocupam o mesmo palco como regente e solista, respectivamente. "A Sinfônica de Piracicaba é um instrumento de grande versatilidade e que, além de aliar repertório de qualidade, valoriza as novas revelações. Agora é a vez de o público conhecer o talento de Luiz Fernando Venturelli, que em pouco tempo de carreira se mostrou um virtuose do violoncelo", explica o maestro Jamil Maluf, diretor artístico e regente titular da Sinfônica de Piracicaba. Ele lembra que desde sua reestruturação, a OSP prima pela inclusão de solistas jovens: entre 2015 e 2017, por exemplo, se apresentaram os pianistas Pablo Rossi e Cristian Budu e o violonista chinês Sihao He.

Em 2014, quando tinha 14 anos, Luiz Fernando Venturelli se tornou o brasileiro mais jovem a se apresentar no Carnegie Hall, em Nova York, uma das casas de concertos mais prestigiadas no mundo. No ano passado, aos 17 anos, conquistou uma bolsa integral para cursar música em Chicago, onde permanece até o ano de 2021 na Northwestern University. Venturelli começou seus estudos aos oito anos, no Instituto Bacarelli, e teve entre os professores o piracicabano André Micheletti, diretor artístico associado da OSP e chefe do naipe de violoncelos. Ele já se apresentou com Sinfônica Heliópolis, Filarmônica de Goiás, Sinfônica do Espírito Santo, Osusp, Camerata Sesi e Osesp.

Regente titular da Orquestra Juvenil Heliópolis e regente adjunto da Orquestra Sinfônica Heliópolis, Edilson Ventureli é diretor executivo do Instituto Baccarelli, associação sediada na comunidade de Heliópolis que promove formação musical e artística de crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social. Ele iniciou seus estudos musicais aos cinco anos. Esteve à frente das orquestras sinfônicas da Bahia, de Sergipe, do Espírito Santo, entre outras, e em 2015 foi homenageado pela Câmara Municipal de São Paulo pelo trabalho desenvolvido no Instituto Baccarelli.

Este é o sétimo concerto da Temporada 2018 da OSP, que já recebeu os regentes convidados Erica Hindrikson e Thiago Tavares. Atuaram como solistas o pianista Marcelo Bratke, o multi-instrumentista André Mehmari, a violinista Elisa Fukuda e o tenor Jean William. Em julho, a Orquestra se apresentou no Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão. Ainda em setembro, no dia 29, a OSP retorna ao Teatro do Engenho e, sob regência de Jamil Maluf, se apresenta com o violinista norte-americano William Hagen, de 25 anos, vencedor do Queen Elisabeth Competition, um dos concursos de maior prestígio da música clássica.

Completam a Temporada 2018 da OSP três projetos de educação musical, desenvolvidos com recursos da Secretaria Municipal de Educação e apoio da SemacTur: o ABC do Dó, Ré, Mi, o Música nas Escolas e o Pequena Grande Orquestra, todos retomados em agosto, após o período de recesso escolar. Outro trabalho de formação de plateia desenvolvido são as palestras O Meu Concerto de Hoje, realizadas sempre antes dos ensaios gerais abertos, nos concertos vespertinos. Até o final de 2018, a estimativa é que as quatro iniciativas contemplem 36 mil pessoas.

A Temporada 2018 da OSP tem o copatricínio do Grupo Pizzinatto e das Indústrias Marrucci, o apoio institucional da Empem (Escola de Música de Piracicaba Maestro Ernst Mahle), Oscip Pira 21 e Cultura Artística, e apoio de mídia da Rádio Educativa FM, Revista Arraso e Jornal de Piracicaba.

SERVIÇO– Orquestra Sinfônica de Piracicaba. Sábado, 1º de setembro, às 17h30 e às 20h, no Teatro Municipal Erotídes de Campos, o Teatro do Engenho (avenida Doutor Maurice Allain, 454, Vila Rezende). Entrada gratuita. Distribuição de ingressos nos dias 29, 30 e 31, das 15h às 18h. A cota remanescente, se houver, será distribuída a quem estiver na fila de espera, antes dos concertos. Mais informações: (19) 3413-5212 e www.sinfonicadepiracicaba.org.br.

ASSESSORIA DE IMPRENSA DA OSP
Rodrigo Alves – (19) 99147-5733